SINPROQUI-MG


Sindicato dos Profissionais da Química do Estado de Minas Gerais

(31) 3274-8803 / (31) 3274-8868

Horário: Segunda à Sexta de 12:00 às 17:00

Decisão TST Contribuição Sindical

Primeira turma do TST decide sobre contribuição sindical para categoria diferenciada.

27/07/2015

Na existência de trabalhadores que integrem categorias profissionais diferentes da atividade principal exercida pela empregadora, deve-se recolher a contribuição sindical ao órgão de classe desses profissionais (Sindicato da Categoria Profissional). Este é o entendimento da Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho, que acatou o recurso do Sindicato dos Técnicos de Segurança do Trabalho do Estado do Rio Grande do Sul - Sinditest/RS, determinando o pagamento a este sindicato da contribuição sindical dos técnicos de segurança do trabalho do Hospital São Lucas da PUC/RS. A decisão da Primeira Turma reformou julgamento anterior do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) que livrou o Hospital do pagamento da contribuição sindical, com o argumento de que a instituição já paga essa tipo de valor “ao Sindicato dos Profissionais em Enfermagem Técnicos, Duchistas, Massagistas e Empregados em Hospitais e Casas de Saúde do RS – SINDISAÚDE, que é o sindicato que regula as relações de trabalho dos seus empregados”. De acordo com o TRT, “mesmo reconhecendo que os empregados enquadrados como técnicos de segurança do trabalho se encontram entre aquelas categorias diferenciadas (Quadro Anexo ao art. 577, da CLT), não há como exigir da reclamada o pagamento de contribuições sindicais previstas para tal categoria profissional, na medida em que a ré já repassa as contribuições sindicais ao SINDISAÚDE”. No entanto, ao analisar o recurso do Sinditest, o ministro Vieira de Mello Filho, relator do processo na Primeira Turma do TST, entendeu que, quando existem “empregados pertencentes à categoria diferenciada, a contribuição sindical relativa a estes deve ser recolhida em favor do sindicato representativo dessa categoria, por força do disposto nos artigos 511, § 2° e § 3°, 513 e 579 da CLT”. “Os técnicos em segurança do trabalho integram categoria profissional diferenciada, como reconhecido pelo Tribunal Regional, não podendo, deste modo, determinar-se o enquadramento sindical dos respectivos empregados pela atividade preponderante da empresa, como feito no caso em apreciação”, concluiu o ministro. O voto foi seguido à unanimidade. (RR—56040-69.2006.5.04.0029) Fontes: Universo Jurídico/Tribunal Superior do Trabalho